4.1.10

É proibido ser frustrado.

Todd Solondz é um gênio.
Até que se prove o contrário? eu acredito que não será possível.

Posso dizer que seus trabalhos são o preto no branco do desejo. Me admira a maneira a qual ele consegue expressar aquilo que socialmente busca-se ocultar. E assim faz com muita elegância, ironia e autenticidade.

Em outro dia eu falava sobre o cotidiano de pessoas infelizes, lembram? Hoje podemos adjetivar de outro modo: frustrados.
Em Storytelling | Histórias Proibidas | somos conduzidos à uma atmosfera um pouco fria, na qual  temas sociais e políticos são explorados com sátira e realismo. O filme retrata duas histórias sucessivas: "Ficção" e "Não-ficção". São idéias aparentemente assimétricas, dissociadas entre si.

Ficção
o não-projetado além do conto                                    

Este primeiro retrato apresenta o final do namoro de Vi | Selma Blair | e Marcus | Leo Fitzpatrick |, um casal adolescente.
Marcus possui paralisia cerebral e busca investir em seu potencial de escritor. O relacionamento se encerra após frustrar-se ao apresentar sua redação à um grupo de estudantes. Mas não era apenas isso. Ele suspeitava que Vi sentia-se atraída pelo sr. Scott | Robert Wisdom |, vencedor do prêmio Pulitzer, um homem tipicamente arrogante e dono de um suposto saber sobre o outro. De maneira explícita, este expõe todo o seu descontentamento frente as produções escritas daqueles jovens.

Após encontrar o professor em um bar noturno, Vi vai a seu apartamento, potencializando uma possível relação sexual, a qual ocorreu sem maiores dificuldades. Neste momento, se observa um outro desumanizado, é como se esta relação fosse inexistente, uma vez que Vi foi um mero objeto do desejo do outro, um abuso consentido.

Screens editados por Renato Hemesath

A angústia decorrente desta experiência foi projetada na realidade. Na redação escrita por Vi, este fato foi minuciosamente descrito, porém numa condição hipotética. Ao lê-la para o grupo, foi capaz de impactar os demais jovens, os quais definiram o ato sexual como humilhante, desleal. "Mas isso aconteceu de verdade", foram suas palavras.
De algum modo, mostrava-se necessário expôr o conflito, dar voz ao desprezo. Porém, não foi possível sustentá-lo. Antes mesmo de suscitar a abstração daqueles presentes, o professor nega a existência de qualquer comprometimento a isso, e obtém a coesão do grupo. Ponto final.

Não-ficção
do urbano à reprodução

Toby | Paul Giamatti | é um quase-diretor de produções independentes que deseja  filmar documentários explorando situações do cotidiano. Com o objetivo de retratar a problemática familiar, ele encontra Scooby | Mark Webber |, um adolescente entre os dezesete anos que possui características populares de um "garoto problema".

                   
Câmeras instaladas? não havia orçamento para isso, fia. Mediante o consentimento dos responsáveis, Toby se inseriu nas atividades desta família, filmando os principais eventos do dia.
Scooby era o principal foco: o típico desajustado, aquele que espontaneamente afirmava "odeio ler". Pressionado pelos pais à optar por um curso universitário, ele mostra-se indiferente, e alega que apresentar um "talk show" assim como Conan O'Brien seria uma melhor alternativa.

                  
Estava implícito naqueles sujeitos um sentimento de culpa pelo não-cumprimento do ideal imposto socialmente. Os diálogos apontam a frustração que os membros da família sentiam por estar à margem daquilo que pretendiam ser. Eram pessoas distantes entre si, o desconhecimento do outro impedia que eles se unissem harmoniosamente.

Ficção

Não-ficção

O que difere as duas histórias proibidas?
O que houve em uma e foi faltante na outra? Um agente interditor - aquele que exercesse uma função de poder.
Na primeira história, o drama, o conflito não pode ser conhecido como tal, o professor exerceu esta função. A idéia manteve-se numa condição hipotética (redação). A fala que faz sofrer foi vedada pelo Outro, o qual determinou como deveria ser.
A segunda história proibida desvendou uma situação mais concreta. O proibido foi gradualmente conhecido entre aquela família, eles puderam se deparar com a angústia de não ser quem gostariam de ser. As filmagens tornaram-se um registro da realidade, da condição atual de suas próprias vidas, portanto: não-ficção.

As nossas vidas também são governadas por um Outro: Inconsciente, política, líderes, sistemas religiosos, paixões. É válido refletir até qual ponto nos alienamos a partir da censura que nos é imposta. O que é proibido em nossa própria história de vida pode conter os elementos fundamentais para transformação, conduzindo-nos a uma existência mais favorável.

O conhecimento do conflito e a possibilidade de expressá-lo são realmente fundamentais. Eu acredito que as relações humanas seriam melhores caso as pessoas se sentissem confortáveis para mostrarem-se como acreditam ser. Assim, acho válido repensar sobre os significados que atribuímos à censura e moralidade.

Um grande abraço à todos.
Renato Oliveira

45 comentários:

Sônia Silvino disse...

Renato, meu querido amigo!
Fico encantada com a tua forma de explanar os teus assuntos. És um crítico de cinema!
O Rubens Edwald que se cuide, hein?
Bjkas!!!

Vanessa Souza Moraes disse...

http://www.tatibernardi.com.br/

Renato,
Acima o link do site da Tati. Ela é escritora e roteirista - paulista. Eu a leio desde 2004, quando ela era colunista da TPM. Ela é boa demais!

Ela escreveu, certa vez, um texto sobre a análise lacaniana. Postei no meu blog: http://meudivaenacozinha.blogspot.com/2009/09/tati-bernardi-sobre-psicanalise.html

Tudo certo por aqui.
E por aí? Começou bem o ano?
Beijo,
Vanessa

Fernanda disse...

oi sobre a entrevista estou sim ainda a recebe-las,é só madar as respostas para o meu email.se vc não tiver ele é só me mandar o teu que te mando as perguntas.

Pena disse...

Estimado e Brilhante Amigo:
Uma oposição entre ficção e não ficção.
Registei, com pertinência:
"...O conhecimento do conflito e a possibilidade de expressá-lo são realmente fundamentais. Eu acredito que as relações humanas seriam melhores caso as pessoas se sentissem confortáveis para mostrarem-se como acreditam ser. Assim, acho válido repensar sobre os significados que atribuímos à censura e moralidade..."

Excelente! Perfeito. Quando a frustração engendra o conflito surgem situações anormais dignas de análise e entendimento solidário e amigo. Alguém que se interesse pela nossa condição humana desabitual e imprópria.
Agitada e complexa de compreensão.
Penso que Freud fez um trabalho notável ao atribuir às questões do sentimento e do pensamento questões sexuais.
Um texto repleto de emoções e sentires que fazem parte da vida de todos nós.
Adorei.
Bem-Haja, pelo seu talento.
Abraço forte de uma verdadeira e autêntica amizade.
Com respeito e estima.
Sempre a admirá-lo.

pena

Perfeito Post.
Tudo aqui maravilha.
Parabéns inceros.
Bem-Haja, extraordinário amigo.

Fernanda disse...

eu acho que quando a gente se livra desse Outro é que conseguimos ser livres e felizes de verdade...

Ju Fuzetto disse...

Que tudo esse post!

Simplesmente perfeito!!!!!

Parabéns de coração!

abraço

talita, ta? disse...

Meu e-mail é taliiita.dantas@yahoo.com.br

E quanto ao Almodovar vou dar uma olhada e te digo. ;D

Sil disse...

Puxa..

Bem, é bem interessante... são duas histórias bem diferentes né...

Achei estranho a postura da menina no primeiro filme, claro, o adulto era o professor e ele mesmo conduziu o ato, mas ela não o negou.. do contrário, como vc bem expôes, a relação se deu sem dificuldades. Difícil depois ela questionar a atitude...

De qualquer forma, a moral da história é bem tocante, senti que temos várias coisas em nosso meio que nos influênciam diretamente em nosso ponto de vista, opções, rotina e opiniões públicas. Coisas que podem interferir em nosso meio de viver e ver as coisas. Que as vezes pode até nos fazer ter más escolhas neste percurso.

Bom texto e análise.
Bjos

Erica Vittorazzi disse...

Renato, você sabe quem que o Lacan disse que a relação sexual não existe. E este professor, que acredita ter o Falo, demonstra bem isto! Ah, aqui é bem melhor que qualquer cinema e psicanálise que eu já tenha ído!!!

beijos, ótimo 2010!!!

Jacque disse...

Uau! Muito bem esplanado o assunto. Você fez isso de forma incrível. Já estou seguindo, adoro cinema e teu blog é perfeito!

Obrigada por seguir o Poética, é um prazer, tê-lo por lá!

Abraço!

Mattheus Rocha disse...

Este filme realmente é interessante !!

Gostei do Blog, Renato. Vou seguir.

Um abraço !!

Flavia C. disse...

Olá :) Bem, muito obrigada pela visita no meu blog!
E olha, adorei seu espaço ...
É muito bom saber que existe um blog sobre cinema com críticas tão boas quanto as suas!
Parabéns.
Estou seguindo, também.
Beijo grande :)

nega hamburguer disse...

aaa, mas não precisa ser novo pra eu ficar sabendo :D

tem uma promoção rolando no meu blog... participa lá... bjoz.

Pedro Gabriel disse...

Olá Renato,

Sim. Todos os textos do MOVIMENTO INÉRCIA são meus. É um dos meus blogs. Ultimamente, tenho me dedicado mais ao meu blog de versos curtos: www.amorragia.blogspot.com

Grande abraço, e vou te add também!

Sonia disse...

Boa noite Renato, interessante sua postagem, agradeço a sua amável visita.

beijos.

Tati disse...

Mais uma vez vc arrasou Renato.
E sabe o que eu acho incrivel?O poder que vc tem de fazer com que as pessoas mesmo nunca tendo ouvido falar sobre tal filme,após a leitura de seus posts ficarem loucos para assistir.
Isso acontece comigo.
E foi interessante ler sobre Storytteling,pois nesse caso eu conheci o filme através da música do Belle and Sebastian feita especialmente para o longa,que aliás,é perfeita para o filme não acha?
=)

Paula disse...

I-n-c-r-í-v-e-l

paulamaximiano.blogspot.com

Cenira de Mello disse...

Querido Renato!
Interessante tua caminhada, perseguindo TEUS DESEJOS. de SABER sempre um pouco mais em cada escritos em cada Ti, ti, tis.

A ESSÊNCIA do teu POST. É PROIBIDO SER FRUSTRADO está aqui. Na MOSCA!

"o preto no branco do desejo."

O que com minhas palavras transcrevo como:
UMA VIDA DE VERDADE É POSSÍVEL!
SER, EXISTIR como Se é!
Com frustações, ambições, humildades e etc...
O SER só é possível SER porque ELE é imperfeito e admitir, assumir isso primeiro o sujeito.
Se a socoedade não assumir, aceitar. não é problema do sujeito.
Mas se o sujeito não admitir que é imperfeito não será a sociedade que fará a vida dele diferente. Ele tem que buscar SER DIFERENTE.
Que comigo foi possível com a PSICANÁLISE. desconheço outro caminho.
Mas Parabéns pelas tuas ousadias sábias, que te abrem muitas possibilidades novas de crescrer de construir um SABER que RENASCE de Ti pelas experiências e não do conhecimento dos livros.
Tu parte para a vida prática tudo que conhece da teoria e com força de vontade , inteligência e os dons que herdastes te faz SER DIFERENTE.
Vamos em frente amigo!
Abraço
Cenira

Cristiano Contreiras disse...

Você instiga e coloca argumento preciso, foco narrativo até, em suas resenhas, uma análise perfeita. Parabéns!

Eu não conhecia este filme, agora vou procurá-lo.

Abraço e aparece!

Marcos Campos disse...

Bem interessante o blog, vou voltar com certeza!

Fernanda disse...

Olá! Gostei das dicas!Agora eu estando em férias, ver filmes esta sendo um passatempo maravilhoso..

Gabriela Castro disse...

Gostei muito da postagem :D
beijos

Sarah' disse...

Adoro seu blog, eu descubro tantas coisas novas sabia,

seu ar rerô traz algo jovial para mostrar como o passado é belo!
obrigada por reparar no layout,


bjs querido!

Flávio Morgado disse...

Cara, que espaço bacana!
Muito boa a discussão. Vim aqui para aagradecer a visita, mas vou ficar! rs
faço-me um seguidor, e parabésn mesmo!

F.M.

Juliana. disse...

Oi, que lindo teu gosto pelo cinema..e teu espaço é espetacular..
Já estou seguindo também..o cinema tem uma arte que nos faz refletir, amar, enxergar informações, coerências ótimas..

Muito bom..Bjos e um lindo dia

Ah.. e venha sempre no meu espaço, seja sempre bem vindo..ok!!

Laís D'Ponte disse...

Olá Renato!!!!!!!!!!
Vi que me adiciou no msn, obrigada! Em breve, compartilharemos idéias lá!! Vai me passar dicas de filmes bons quando conversarmos? hauhauhaua eu quero!!

Sensacional o jeito de você expôr criticamente o filme!! =)

Aliás, lendo suas considerações, me veio à mente uma aula que tive falando mais ou menos disso: a sociedade nos impõe padrões a serem seguidos. E, quando não os alcançamos, bate uma frustração tremenda. E, muitas vezes, é essa frustração que cria um comportamento taxado como desviante: a pessoa tida como "deslocada" acaba por recorrer a meios ilícitos para tentar se enquadrar no padrão de vida tido com ideal. Padrão este que envolve sucesso financeiro, vida material, etc etc.
Parece que a sociedade está sempre determinando um modelo de vida, né?

Enfim, é a realidade.

Um abração!!! Até mais! =)

- gabs, disse...

Adorei o seu blog, é diferente dos que eu já vi.
Estou seguindo com toda a certeza!

Tamiris disse...

Olá meu kerido Renato...
Adorei vc logo de cara, quando vi que vc estudava psicologia (que eu adoro)...

Vc escreve mto bem...

Abraços, e até mais

Talita Ribeiro disse...

Amorrrrr..... saudade suas também!
Ah então, fiquei até uns dias sem aparecer por aqui, eu que posto quase todo dia, fiquei quase 2 semanas sem dar as caras!
Estou super bem, muito feliz, graças a Deus.
Precisamos marcar de se ver, que você acha de semana que vem, pra você me atualizar sobre os babados?


E sobre o layout do meu blog, as colagens e badulaques, é toda uma história...
Eu monto tudo no Keynote, que nada mais é que o PowerPoint da Apple, daí depois eu exporto como images, e publico pelo http://tinypic.com/, depois pelo o link, e colo na postagem!

Super fácil!

Depois se quizer eu faço um daqueles mega emails que eu explico passo a passo!

Beijoconas amor.

Saudade de ficar horas falando no tel com você!

hahaha.

Carol Rezende disse...

Nossa, muuito bom o post, parabéns mais uma vez! Fiquei curiosa em assistir este filme...
De fato, não tem como negar, o ser humano é influenciável e toda a nossa personalidade é assim por forças exteriores que de alguma maneira, boa ou ruim, nos constrói. Seja a sociedade, ou até dentro de casa mesmo, nossos pais e tal.
Como diria Rousseau: "o homem nasce bom e a sociedade o corrompe".

Respondendo seu comentário no meu blog, acho que o que governa a mente da maioria é a mídia. Acho não, tenho certeza. E o que a mídia lança no mercado, é o que sabe que as pessoas tendem a gostar e que vão retornar o lucro para elas. A arte não é lucro! Isso torna as coisas fúteis e acham que Britney Spears canta bem mas Billie Holiday canta mal, por exemplo. Eu detesto esse pensamento contemporâneo ¬¬

Ah, que legal! Eu já pensei em fazer psicologia, mas to pensando mais em cinema, audio visual ou história. Minhas opções essas -qq
Qual é o seu nick no Twitter?
Esses dias estava super quente aqui... Mas hoje choveu e refrescou um pouco rs.

Já assistiu Barbarella? Essa foto é a Barbarella, interpretada pela Jane Fonda. É um filme bem trash futurista, e eu tava falando sobre Blade Runner e futuro/passado no post, resolvi desejar feliz 2010 com uma imagem da Barbarella hahah.

Beijoos

Madame Lumière disse...

Olá, este blog é perfeitamente o vizinho de blogosfera que gosto de ter. Parabéns! Amo a psicanálise, devotamente.

Cristiano Contreiras disse...

OLÁ, CARO RENATO

VIM AVISAR QUE SEU BLOG AGORA FAZ PARTE DO HALL DE BLOGS-PARCEIROS DO APIMENTÁRIO.

Vá ver e conferir.

Ainda que o Apimentário não faça parte de sua lista de amigos aqui, eu gosto muito do Cine Freud.


abraço!

Dil Santos disse...

Oi Renato, tudo bem?
Menino, gostei da forma como vc retratou os filmes. Faz com que queiremos assiti-los.
Menino, concordo com o seu comentário em meu blog.

Abraços
:)

Cine Europeu disse...

Excelente resenha!

Parabêns!

Karina Porto disse...

Olá!
Estou lhe convidando para participar dos sorteios que estou promovendo no meu blog são eles:
Sorteio do Livro Descula se te Chamo de Amor - http://k-romances.blogspot.com/2009/12/promocao-desculpa-se-te-chamo-de-amor.html

Sorteio do Livro Lua Nova - http://k-romances.blogspot.com/2009/11/promocao-entre-o-ano-novo-com-lua-nova.html

Sorteio do Livro Pobre Não Tem Sorte - http://k-romances.blogspot.com/2009/12/promocao-leila-rego-presenteia-voce-no.html

Sorteio do Livro Estrela Píer - http://k-romances.blogspot.com/2009/12/promocao-estrela-pier-kamila-denlescki.html

Sorteio do livro Kara & Kmam - http://k-romances.blogspot.com/2009/12/promocao-kara-kmam.html

Participe quem sabe não é você que vai ganhar um destes maravilhosos livros?
Participe!!!
Estarei lhe Aguardando!

majuh_ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
majuh_ disse...

Nossa, se eu te dizer que eu li tudo vce acredita!? kkkkk
adoreeei as historias, com certeza vou assistir! adorei o blog, to seguindooo ;* beijos, volte smp :)

Cintia Carvalho disse...

Oi Renato!

Eu não conhecia o filme. Uma novidade para mim. Assim que puder vou assisti-lo.

Sua narrativa sobre a trama está muito coesa e significativa. E seus questionamentos então, nos levam a pensar e refletir sobre nós mesmos. Muito bom.

Um beijo.

Reinaldo Glioche disse...

Vc está coberto de razão. Se a censura e o senso de moral fossem menos intinerantes, a vida seria mais prazerosa e menos dispendiosa emocionalmente falando.

E concordo. Solondz é um gênio.
ABS

Juliana Migliorati disse...

Maravilhoso seu blog estarei por aqui tbm!
Muito obrigada pela visita ao meu diário!
Beijinhossss...

Sunlight disse...

Olá, Renato! Puxa, seu blog está de parabéns! Além da proposta do filme, vocês buscou problematizar o assunto que ele aborda com um "quê" que só quem conhece algo de Psicologia poderia fazer, e isso foi bem bacana! Se é que deu pra me entender hahaha. Além do mais, só por esta descrição que você fez, o filme me pareceu bastante interessante. Vou assistir e depois te conto como foi a experiência. (;
Beijo!

Ana Lúcia Porto disse...

Oi Renato,

Permita-me dizer com carinho: -"Menino"..., você é exemplar...!!

Querido, que abordagem perfeita sobre censuras impostas, além das naturais (por exemplo, a do inconsciente, como disse). Sim, creio que vivemos a conquistar uma liberdade digna de bem viver...

Beijos,
Ana Lúcia.

Sarah' disse...

Comentei aqui de novo tá?
bom, eu li no começo você dizendo sobre estradas.. e é nela que eu estou me espelhando no momento, uma estrada para me encontrar!


eu adoro seu blog sim,
e muito obrigada por ser sempre sincero em relação ao meu!
sucesso e estou super ansiosa sobre o proximo post.

beijos!

otavio disse...

Olá.

Assisti HISTÓRIAS PROIBIDAS hà pouco tempo e estou tendo certa dificuldade com a psicologia da personagem da Selma Blair na primeira parte do filme.
Pelo que pude entender, ela é a garota politicamente correta, namora até mesmo um rapaz doente, um recurso do roteiro para nos mostrar que ela não discrimina ninguém. Usa camisas com temas da luta dos negros e etc.
Quando ela transa com o professor ele pede que ela repita "NIGGER, FUCK ME HARD". O que ela faz...à principio timidamente e depois aos berros.
Depois corre para os braços do namorado, com cara de arrependida e suando ( no início o namorado à critica dizendo que ela está distante no sexo, que nem transpira mais). Entendi, que ela curtiu o sexo com o professor e principalmente curtiu chamar o cara de NIGGER, aderindo à um esterótipo preconceituoso do "negro fodedor", do macho negro hipersexualizado. Justo ela que jurava ser sem preconceitos. Isso é o que à atormenta depois. É mais ou menos isso ?

Renato Hemesath disse...

Otavio,

a mim, tua análise da personagem está perfeita! Absolutamente interessante e fiel a visão do Todd acerca da sociedade, que se reflete nos personagens que ele cria. Sim, porque a contradição e o bloqueio das pessoas em se tornarem "seres melhores" conforme as mídias e a religião pregam, é um dos principais pilares que estão presentes em todos os seus filmes.

Na cena que você comentou, fica muito bem ilustrado essa paixão pelo selvagem,por aquilo que não se quer ter, mas que é realmente atraente ao desejo. De algum modo, a personagem da Selma, por momentos, se tornou mais fiel a algo que realmente a fazia gozar.

Obrigado pelo seu comentário e seja sempre bem vindo. Certamente tua visão agregará muitíssimo! Have a great time!